domingo, abril 01, 2007

Três Serras

Deixei que o meu organismo despertasse por ele próprio - nada de despertadores.

Na noite anterior, quando preparava a nova cache para colocar, tinha decidido que levava o "Snoopy" a passear comigo na subida da Serra de Santo António.

Preparei tudo e tentei ser o mais natural possível para que o cão comesse normalmente mas o malandro parece que adivinha quando é fim-de-semana - não ligou nada à comida e colocou-se a esgravatar na porta do terraço a ganir.

Terminados os aprontos, iniciei a viagem até à zona de meu destino, a estrada emtre Moitas Vendas e Serra de Santo António, junto ao PNSAC.

Chegado ao local e enquanto procurava zona para deixar o carro, vi fumo numa pequena floresta - ou o que resta dela - e fiquei alerta. Não vi ninguém nos 5 minutos que andei de um lado para o outro e comecei a tirar fotos. Telefonei ao 117 (sou Vigilante "De olhos na Floresta") e reportei o incidente. Dei coordenadas wgs84 além de descrever o local. Daí a uns 10 minutos, recebo telefonema dos Bombeiros de Alcanena a confirmar o meu relatório. Confirmei tudo e perante a possibilidade de ser apenas uma queimada, disse que iria subir a Serra a pé e que se o fogo se confirmasse voltava a telefonar, agora para eles. Assim ficou combinado mas mais uns minutos volvidos, recebo novo telefonema a dizerem-me que o Comandante deles sabia do fumo e que se confirmava ser uma queimada e que andaria por ali alguém. Não vi ninguém a vigiar a queimada mas pedi desculpa pelo falso alarme ao que me responderam agradecendo - "É melhor prevenir".


Estacionei então o carro no local escolhido - perto de uma pedreira abandonada - e comecei a subir. No OziCe tinha identificado um trilho que me levava em diagonal até ao topo da crista da Serra mas nunca o encontrei. Fui progredindo em zigue-zague por entre arbustos mediterrânicos e lapiases - muito dura a progressão. Comecei a recear que tivesse feito mal em levar o "Snoopy". Fui até ao topo e depois flecti para Oeste e continuei a caminhar pelo crista da Serra, com encosta a Sul e escarpas a prometerem queda a pique, do lado Norte.

Chegado perto do topo, o terreno melhorou e comecei a ter condições para tirar fotos - no fim do dia cheguei a casa com 176 novas fotos, muitas delas com a função macro (clicar para ver tamanho original)

























Flores...






































No topo a paisagem era o que esperava. Gratificante.




Mas o polje estava vazio. Devia ter vindo hà um mês atrás.








Vistas...


































E eu até tinha uma estrada que vem de Minde, sobe ao cimo da Serra e atravessa-a em direcção a Sul, a Alcanena. Mas quis subir a Serra a pé.

























Como o PH vai escrever algumas coisas sobre a geologia do local, deixa-me cá fotografar tudo o que possa ser interessante;


arbustos a nascer no meio das pedras, um calcário cristalizado, uma pedra cor-de-rosa...










Um abrigo...
















Mais pedreiras,
































e mais plantas... (andei a ler o manual da máquina ;-) )




















Feito o reconhecimento e escolhido o local da cache, enviei sms ao PH; "Está colocada a A View To The North! As coordenadas são .... e a dica é..."


Iniciei o caminho de regresso ao carro. Fui por um local diferente. Desta vez procurei um outro caminho que estava no OziCe mas também não o encontrei no terreno (apesar de no OziCE estar mesmo a caminhar sobre ele... Mas era só arbustos mediterrânicos, muitos apenas os restos de fogos passados, árvores também.


E lapiases, muitos lapiases. O "Snoopy", a certa altura comecçou mesmo a sangrar das patas... Não hà dúvida. Exagerei na abordagem ao meu estilo.





















Mas lá continuei depois de descansar um pouco - o "Snoopy" até já se deitava à minha sombra.





Mais umas fotos de flores...


































Quando cheguei ao carro estava num lindo estado por ter atravessado florestas tranformadas em carvão...















Comemos e bebemos enquanto descansávamos da estirada de 4h45 minutos que tinhamos percorrido.



Percurso com WPs GE aproximados (tentei poupar a bateria do PDA).





Depois dirigi-me à Serra da Lua, para tentar procurar a "Espiral da Lua". Uma indecisão minha impediu-me de chegar ao ponto final da cache mas hei-de tentar novamente.


Finalmente, a Serra dos Candeeiros. Apesar de saber agora que está muito pior do que esteve mas para quem não a conheceu, pareceu-me muito agradável. Uma estrada de terra batida (óptima para umas boas pedaladas) que percorre longitudinalmente a Serra, ladeada por geradores eólicos (mais de 40, calculo eu), óptimas vistas para os dois lados, um parque de merendas, marcos geodésicos e quase nenhum motivo para trash out. Agradou-me.




























E além de encontrar a cache, também encontrei mais um waymarking.












Esta foto ficou porreira, não ficou? :-)

2 comentários:

Costa disse...

Por acaso esta é uma das facetas do Geocaching, que muitas vezes não é contada, cujos escritos "devoro" sempre que surge uma oportunidade.
A história da colocação da cache, o que levou à escolha daquele local, o porquê do tema da cache, é sempre algo que me intriga...

Esta vai ficar na lista das caches a fazer assim que possível.

Sagitario disse...

Os sitios por onde andas ó Manel são mesmo fixes...

E as historias...